Acontece:
Translate:





Untitled document

PASTORAL EPISCOPAL – MAIO/2014

 

O DISCIPULADO É A ESTRATÉGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DO REINO DE DEUS

 

“Portanto, vão e façam discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. Eu estarei sempre convosco, até os fins dos tempos” Mateus 28. 19 e 20.

 

Na apresentação do Manual de Discipulado e Células da Quarta Região Eclesiástica, o Pr. Fernando Baltar diz o seguinte:

“Cumprir o chamado da grande comissão de fazer discípulos/as é o maior objetivo da igreja de Cristo”. Deus tem um sonho: Ter muitos filhos/as conforme a Sua imagem e semelhança. O discípulo é aquele que realiza esse sonho de Deus.

Cremos que o discipulado, realizado através das células de crescimento e multiplicação é a ferramenta mais eficiente que a igreja dispõe para cumprir sua vocação aqui na terra. Através dela os membros se fortalecem espiritualmente e se preparam para proclamar o Evangelho a todo mundo. Líderes são treinados e estes ajudarão no discipulado, na integração, no testemunho bíblico e na confirmação da fé. O discipulado gera também conhecimento melhor da Bíblia, desenvolvimento dos dons individuais e promovem a fraternidade crista. Assim, a igreja experimenta unidade, novas conversões, mais fervor espiritual, influência positiva na vida dos participantes e da comunidade. “Ocorre multiplicação em todos os níveis”.

Esse texto define de uma maneira bem simples de como entendemos o discipulado como a estratégia deixada por Jesus para a implantação do Reino de Deus aqui na terra.

Alguns obreiros/as da nossa Região estão tentando fazer a transição, outros já estão mais adiantados nesse processo, conseguido a tão deseja e essencial transição de uma igreja de programas para uma igreja de discipulado (de membros para discípulos/as). Nós já passamos da fase do convencimento, ou seja, todos/as, bem como as igrejas locais, estamos convencidos de que o discipulado é a estratégia implantada pelo Senhor Jesus Cristo e que não devemos ter outra, pois no passado tentamos outras e não deu o resultado desejado pelo Senhor.

Quais têm sido as nossas principais dificuldades? São muitas, mas quero apontar algumas que eu acho que são as que enfrentamos aqui na Rema.

1 - Fazer a transição entre a igreja de programa e a igreja de discipulado.

O/A líder dessa transição é o/a pastor/a. Se ele/a não liderar essa transição ela não vai acontecer. A primeira coisa que precisamos fazer é parar de estimular a realização de programas que o principal objetivo é "animar" e manter os membros da igreja ocupados, gastando tempo e dinheiro que não frutificam para o discipulado.

Vamos pastorear as ovelhas que o Senhor tem nos confiado, discipular as que já fazem parte do rebanho e evangelizar os não convertidos e trazer de volta ao aprisco as desviadas.

Precisamos orientar os ministérios e grupos societários que esse é o nosso chamado. O que passar disso é perda de tempo e dinheiro, coisas preciosas no Reino de Deus!

 

2 - Falta de um “coração aquecido”.

Tenho visitado e continuo fazendo esse trabalho, agora em menor escala, só nos casos pontuais, pois tenho os SSMM que me ajudam nesse trabalho. Nessas visitas tenho percebido que nossas igrejas estão vivas, mas não estão experimentando um grande avivamento espiritual.

O avivamento espiritual da igreja local passa pelo/a líder da igreja que é o pastor/a. Estamos passando um momento muito bom na Rema: de alegria, crescimento, fidelidade e desejo de sonhar os sonhos de Deus, mas sinto falta de um grande avivamento espiritual. Pastores e pastoras com o coração incendiado. Pode até ser que alguns/as  na minha presença fiquem tímidos, mas não se esqueçam: " onde há o Espírito, aí há liberdade ".

Como “avivalista”, tenho sentido dificuldades quando estou nas nossas igrejas locais. A reação do povo é lenta e tímida. Às vezes até pergunto ao/a pastor/a se o glória e aleluia esta liberado.

É claro que o fato das pessoas responderem com glória e aleluia seja a única evidência de um  avivamento espiritual, mas numa igreja que esta experimentando um avivamento, é normal que isso aconteça.

 

3. A terceira dificuldade que eu aponto não é impeditiva, mas limitadora: a nossa geografia. As grandes distâncias que nos separam.

Para amenizar essa dificuldade, foram criados, dentro da nossa nova organização como Região Missionária, a figura do NEM - Núcleo de Expansão Missionária. O NEM é uma preciosa ferramenta para o discipulado e consequentemente para a expansão missionária.

Os SSMM e os/as coordenadores/as desses núcleos de igreja locais, são elementos importantíssimos nesse processo.

No primeiro ano de implantação do novo modelo enfrentamos as dificuldades normais inerentes, mas agora precisamos usar essa ferramenta para através dela alcançarmos os nossos objetivos no processo do discipulado, tanto de pastores/as como liderança local.

Certamente há outras dificuldades, mas aproveito esse espaço para apontar alguns caminhos dentre outros:

1 - Chame seu povo à santificação através da oração e Jejum. Você mesmo, santifica a tua vida, fechando toda e qualquer brecha espiritual que possa haver, tanto no passado como no presente.

2 - Se você não tem ainda, inicie uma reunião de oração e jejum todos dias no templo. Se não for possível todos os dias, comece com um dia por semana e depois aumenta para dois, três e assim por diante até conseguir todos os dias da semana, do mês, do ano. Isso é fundamental! Você precisa começar e estar presente, especialmente os que são de tempo integral. Depois que conseguir ter a reunião todos os dias da semana, você pode fazer uma escala de dirigentes.

3 - Tenha uma reunião semanal no templo de cura e libertação espiritual. Se você não tem esse ministério, busque alguém que tem e que possa te ajudar e aproveita para aprender com essa pessoa. Sei que diversos obreiros/as da Rema tem esse ministério. Vamos ajudar uns aos outros.

Essa reunião é um ótimo pesqueiro onde ganhamos pessoas para Jesus e encaminhamos para as células.

4 - Tome a iniciativa de não propor programas para igreja, aqueles que a igreja sempre fez.

Comemoração de aniversários, festa disso, festa daquilo. Nada que realmente você não tenha convicção de que vai contribuir para o discipulado. Não é uma proibição, mas uma orientação. Se você quer continuar perdendo tempo, é uma decisão sua.

Você não foi chamado/a pelo Senhor para “animar e promover entretenimento " ao povo de Deus, mas para pastorear e discipular, fazendo de cada membro um/a discípulo/a.

Considerações finais:

Eu sei como é difícil tanto para os/as pastores/as e principalmente para igreja local, as mudanças que temos experimentado nos dois últimos anos. Muitas vezes o NOVO é assustador, gera alguma insegurança, mas nós servimos a um Deus que sempre faz novas todas às coisas. Estar aberto/a ao novo é estar aberto a ação do Espírito Santo.

Certamente vamos continuar ouvindo que a Igreja Metodista mudou, não é mais aquela igreja de antigamente. Aquele tempo é que era bom. Devemos agradecer pelo passado, mas louvar a Deus por estar vivendo um tempo novo e escrevendo uma nova história. Uma história de grandes conquistas. Um crescimento sobrenatural.

Essa igreja mais que centenária que tanto amamos e somos gratos a Deus por tudo que temos recebido de Deus através dela, tomou a decisão de mudar! Estamos mudando para melhor. Aleluia!

Neste 24 de maio, dia do CORAÇÃO AQUECIDO, tenha o teu coração incendiado pelo fogo do Espírito Santo.

 

 

Seu pastor,

 

 

Carlos Alberto Tavares Alves

Bispo Missionário

 Região Missionária da Amazônia - Rema




Boletim Missionario -

Busca de Conteúdos no Portal

Encontre
Igrejas e Pastores

Pesquise também:

Versículo do Dia

Foge também das paixões da mocidade, e segue a justiça, a fé, o amor, a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor.


II TIMóTEO 2.22

Boletim Eletrônico
Informe seu nome e e-mail para receber nosso boletim eletrônico.
Nome:
E-mail:
Região Missionária Amazonica - Rua Afonso Pena, 1161 - Nossa Senhora das Gracas - Porto Velho - RO - CEP 76804-120 - Fone: 69 3229.2150
Desenvolvido por: